• Gabriela Ries

A IMPORTÂNCIA DAS PRÁTICAS MEDITATIVAS

Por Gabriela Ries – baseado na Teoria da Abrangência de Sofia Mountian De acordo com alguns ensinamentos que obtive ao longo do meu caminhar com a Teoria da Abrangência, de Sofia Mountian, pude notar que nossa realidade está mudando cada vez mais rápido. Como diz a própria mestra, “O mundo civilizado tende a ficar cada vez mais acelerado. A estabilidade, tão necessária a muitos, será mais difícil de ser estabelecida. As pessoas ‘normais’, que não têm grandes pretensões ou estão levando uma vida mais rotineira, terão maiores dificuldades de encontrar um trabalho estável ou ganhar dinheiro. É o colapso das regras existentes. A sociedade está mais sutil, rápida e imprevisível, e o futuro se mostrará com essas características ainda mais marcantes. Tal contexto parece interessante para aqueles que gostam de mudanças, mas é difícil para os demais. A instabilidade se torna a regra, não haverá trégua, as pessoas que não aprenderem a se movimentar dentro da velocidade exigida não conseguirão sustentar-se nesse panorama. É preciso reiterar que as transformações radicais nas sociedades existentes já estão acontecendo, não é um prognóstico e não há como se esquivar desse momento. Nos dias hoje, é impossível viver com os dogmas estabelecidos. Apesar de o ser humano possuir grande capacidade de adaptação, surgem angústias, depressões e problemas de saúde. O homem se sente só. Está faltando alguma coisa, o contato com algo maior. É possível dizer que falta espiritualidade.”


Mas o que significa isso? O que é espiritualidade? É a grande abertura à vivência emocional. Ela é obtida, pois, pela entrega emocional e não pela compreensão, e inexiste se não houver a prática efetuada individualmente.


Espiritualidade não é uma religião, não é uma doutrina, não é o sacerdócio, não é uma crença e nem uma opinião.


Espiritualidade é um modo de vida, é um estado de espírito, é uma abertura mental, é uma aspiração à transcendência.


Espiritualidade significa estar em conexão com o Espírito, como a própria palavra diz. É sermos guiados por algo maior que o Ego.


Estamos vivendo fora de nós mesmos e, portanto, nosso mundo interior permanece obscuro. Se nos voltarmos para dentro, se nossa atenção começar a se concentrar no interior, então se cria luz: trata-se apenas da necessidade de um rearranjo. Isso é Espiritualidade!


Temos tudo que é necessário para nos organizarmos internamente, a existência proporcionou tudo. Chegamos totalmente prontos para viver nossa vida em um plano ótimo, porém vivemos em um nível mínimo pela simples razão de nunca arranjarmos as coisas. Portanto a atenção deve se voltar para o interior.


É disso que trata a autodescoberta - um giro de 180graus de nossa atenção, de nossa conscientização. A pessoa que pode cuidar de seu mundo interior facilmente é capaz de cuidar do mundo exterior.

Mas como podemos “cuidar” desse nosso “mundo interior”? Como desenvolver em nós a tal espiritualidade? A meu ver e pelo que venho estudando a algum tempo, o 1.o passo seria pela conscientização do nosso ESTADO DE PRESENÇA. Esse estado lança-nos uma pergunta: Ao fazer algo, QUAL É A SUA REAL ATENÇÃO E INTENÇÃO NO QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO?


O problema aqui é que nos perdemos nos nossos objetivos, na atenção plena, no Estado de presença por conta de algumas crenças e padrões que nossa sociedade competitiva e a lei geral nos impõem.

Uma das primeiras crenças que deveríamos quebrar, para nos conectarmos com o AQUI E AGORA e viver mais conscientes de nós mesmos (e sermos mais "espiritualizados") é que não somos e nem devemos ser PERFEITOS.


Ser perfeito, perfeccionista significa estar pronto para o divã do psiquiatra; ser perfeccionista é estar fora de si, é ser neurótico. E a todos nós foi dito para sermos perfeitos. A vida é maravilhosa, em todas as suas imperfeições. Nada é perfeito. Perfeição significa morte, pois não tem mais para onde evoluir! Perfeição significa que tudo está terminado, que não há possibilidade de crescimento adicional. Imperfeição significa que você está vivo, que a vida vai continuar. A vida é eterna, portanto a vida é eternamente imperfeita: é o princípio do Caos e Harmonia.

Não pense em como deveria ser! ESSA É A RAIZ DE TODA A PATOLOGIA. Você existe do modo como é hoje, e amanhã pode ser diferente. Por isso VIVER NO HOJE, no AQUI E AGORA, buscando sua evolução na REALIDADE OBJETIVA é fundamental para nossa sobrevivência. Isso é Estado de Presença. Isso é autoconsciência e Espiritualidade.

Viva o momento que se encontra totalmente disponível para você e o próximo momento nascerá dele.


Uma das causas principais de não vivermos no AQUI E AGORA é não estarmos em conexão com nosso emocional e não tomarmos consciência do contato com nosso corpo. Isso gera tensão e distúrbios emocionais. Lembre-se que MENTE e CORPO não são duas entidades separadas.

E como podemos nos conectar mais com nosso corpo, emoções, mente e espírito?

Várias técnicas, como ioga, meditações, práticas, o Zen, basicamente o ajudam a restaurar o contato com o centro. Elas são maneiras de ajudá-lo a mover-se em seu interior, a esquecer da periferia, a deixá-la durante um tempo e a relaxar em seu próprio ser tão profundamente a ponto de o exterior desaparecer e somente o interior permanecer.

Mas algo que eu aprendi com minha própria experiência, vivência interna e desenvolvimento pessoal foi: ANTES DE QUALQUER COISA, ACEITAR MINHA NATUREZA.

É importante que você aceite sua natureza: Se você for um lutador, um guerreiro terá que agir desse modo e essa é a sua satisfação. Não há necessidade de ter receio, desempenhe esse papel de todo o seu coração. Uma pessoa tem que compreender o próprio tipo, não há problema; então a pessoa pode seguir uma linha bem demarcada. Dessa forma você conseguirá fazer suas práticas, desenvolver sua linha de conexão com a espiritualidade de forma mais natural para você. Lembre-se: a espiritualidade é algo ABRANGENTE, ou seja, o que funciona para você, não necessariamente é o que funciona para o outro. O mais importante, como disse antes, é estar claro para você, qual é a SUA INTENÇÃO e estar sempre num ESTADO DE PRESENÇA. Respeitar sua natureza significa ir em direção natural ao fluxo.


Nesse sentido as Práticas Meditativas devem ser uma ferramenta para que você possa alcançar seu “nirvana”, seu centro pessoal. Como disse, ela é uma ferramenta, não o FIM. A Finalidade é seu centramento. Mas as ferramentas de conexão disponíveis em tantas culturas e escolas iniciáticas podem ser a chave para você se reencontrar com sua essência.

E então surge a pergunta: Como estar conectado com o meu SER, meu EU ? Como me espiritualizar... Seria através das meditações e práticas espirituais?

No passado esta tem sido uma das falácias: você faz Práticas Meditativas e de Conexão por pelo menos 20 ou 30 minutos, ou três vezes ao dia, ou medita 5 x ao dia - a ideia básica é que se deve dedicar alguns minutos todos os dias à meditação ou suas práticas de coenxão. Porém, o que você irá fazer nas 23hs restantes?


Sem dúvida algo antimeditativo que já te tira do seu ESTADO DE PRESENÇA. Naturalmente, o que você ganhou nos 20 minutos será perdido durante o tempo remanescente do dia. Desejo que considere as Práticas Meditativas e de Conexão de um jeito diferente. O importante é praticar o que você aprendeu nos seus minutos de silencio. As Práticas tem que se tornar simplesmente algo natural como o batimento cardíaco.

O importante, antes de mais nada, é identificar que vivemos sob pressões e tensões. E é aí que perdemos nossa conexão. E se não aprendermos a relaxar e entrar num estado de mais serenidade, tolerância e confiança, não é possível atingir estados de consciência mais profunda.


Há 2 tipos de tensão - as tensões do corpo e as tensões da mente. Ambas tem de ser liberadas antes de você poder começar o relaxamento, o qual o conduzirá à conscientização. Simplesmente aprenda a estar consciente em todas as situações. Considere importante usar toda situação para desenvolver a conscientização (meditação). Quanto mais natural você for, menos energia será necessário. A meditação não requer energia porque é passiva, inativa, silenciosa. A finalidade de toda meditação consiste em tornar-se centrado e não ser excêntrico (fora do seu centro) - chegar ao seu próprio centro. Você é o seu próprio lar. Esse é o primeiro passo para você se tornar natural e desprendido; sem esse posicionamento, toda pessoa pode levá-lo a qualquer lugar e você sai de si, da sua realidade objetiva. Do aqui e agora.


Por fim podemos dizer que as Práticas Meditativas não são um estado de concentração, e sim de percepção. Você apenas relaxa e observa a respiração.


Ao realizar essa observação, nada é excluído. A observação, estar no agora, estando atento à tudo que vos cerca, é a chave do equilíbrio. Você não pode evitar a verdade. É melhor encará-la, aceitá-la, vivenciá-la. Depois de começar a levar uma vida com veracidade e autenticidade, todos os problemas começam a desaparecer, porque o conflito desaparece e você não está mais dividido. Então aos poucos, observe-se. Quando você estiver dizendo que está feliz, mas não estiver, haverá uma perturbação em sua respiração. Sua respiração não pode ser natural. É impossível. Observe esses fenômenos sutis porque eles são consequências de um todo ou falta de integração. Sempre que você for um todo, estará integro e isso sim é o ESTADO DE PRESENÇA e a conexão com a sua Espiritualidade.


Em Luz, Gabi Ries



18 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo